quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Solidariedade com os guarani, 
enquanto é tempo!

Oi, amig@. 
Leia as palavras de desespero da comunidade guarani-kaiowa de MS que se define como POVO DAS PALAVRAS SEM MALES. 
É de doer, rezar e se indignar, querid@s.
Você sabe que são 34 anos que participo nas lutas em favor da dignidade de todas as vidas. Na minha memória, essa é a terceira grande autoimolação. 
Em 1986, em Florianópolis foi a greve de fome do povo Kaingang pela devolução do Toldo Chimbangue em Terras de Xapecó. 
No início dos anos 90, dezenas de jovens guarani kaiowa se imolaram na região do atual conflito de terra. 

Na carta às autoridades, eles pedem o seu decreto de morte, 
à Justiça Federal e à Presidenta:   

"Passamos tudo isso para recuperar o nosso território antigo Pyelito Kue/Mbarakay. De fato, sabemos muito bem que no centro desse nosso território antigo estão enterrados vários nossos avôs, avós, bisavôs e bisavós, ali estão os cemitérios de todos os nossos antepassados.


Cientes desse fato histórico, nós já vamos e queremos ser mortos e enterrados junto aos nossos antepassados aqui mesmo onde estamos hoje, por isso, pedimos ao Governo e Justiça Federal para não decretar a ordem de despejo/expulsão, mas solicitamos para decretar a nossa morte coletiva e para enterrar nós todos aqui.


Pedimos, de uma vez por todas, para decretar a nossa dizimação e extinção total, além de enviar vários tratores para cavar um grande buraco para  jogar e enterrar os nossos corpos. Esse é nosso pedido aos juízes federais. Já aguardamos esta decisão da Justiça Federal. 
Decretem a nossa morte coletiva Guarani e Kaiowá de Pyelito Kue/Mbarakay e enterrem-nos aqui. Visto que decidimos integralmente a não sairmos daqui com vida e nem mortos.
Sabemos que não temos mais chance em sobreviver dignamente aqui em nosso território antigo, já sofremos muito e estamos todos massacrados e morrendo em ritmo acelerado. Sabemos que seremos expulsos daqui da margem do rio pela Justiça, porém não vamos sair da margem do rio. 

Como um povo nativo e indígena histórico, decidimos meramente em sermos mortos coletivamente aqui. 
Não temos outra opção esta é a nossa última decisão unânime diante do despacho da Justiça Federal de Navirai-MS. 
Atenciosamente, 
Guarani-Kaiowá de Pyelito Kue/Mbarakay"

Convidamos você e sua roda de conhecidos a ler o texto integral e a assinar o pedido solidário em favor da comunidade guarani kaiowá pelo avaaz. 
Como temos feito outras vezes. 

Aweté, Nhanderu (Deus nos abençoe!)
Jaci Gonçalves - Coordenador do Revitalizando Culturas/ UNISUL.

terça-feira, 23 de outubro de 2012

A volta guarani da Rio+20 - I Desafio Lixo Zero



O doc A volta Guarani da Rio+20 partilha a manhã do evento Desafio Lixo Zero em 22.08.2012. Um dia para lavar a alma e mergulhar na biocracia do Planeta e do Universo. O Horto do campus UNISUL Pedra Branca de Palhoça (SC) tornou-se a sala de aula e os guarani nossos professores de ecologia preparando os 50 anos da UNISUL em 2014.





quarta-feira, 26 de setembro de 2012

    PAINEL: CIDADANIA SUSTENTÁVEL
Lições do 1º DESAFIO LIXO ZERO


                       Amanhã: 27/09/12   19h-21h
                              Bloco B - Sala 323
                        Campus Pedra Branca



CIDADANIA SUSTENTÁVEL:
Reciclar. Repensar. Revitalizar. Reduzir. Reusar. Recuperar



Será concedida declaração e/ou certificado de participação com o valor de AACAS aos participantes e horas para o artigo 170



 Não percam de conferir as lições e mudanças que nosso evento promove!  Compareça nesta quinta feira na Unisul - Pedra Branca e compartilhe essa experiência.

Contatos:
 Jaci Rocha Gonçalves (Revitalizando Culturas/Unisul) jacirg@terra.com.br – cel. 8863-5444
Stefânia Mohedano (Novociclo): cel.88356542 stefania.hofmann@novociclo.com.br

sexta-feira, 21 de setembro de 2012







II WEBSEMINÁRIO DE PESQUISA, OBSERVAÇÃO E APLICAÇÃO INCLUSIVA
Auditório bloco C, UNISUL – Campus norte (Pedra Branca)
PALHOÇA/SC, 24 de SETEMBRO de 2012.


09h30min às 12h – Webconferência
Tema: “Educação e Sociedade Inclusiva”Patricia Schappo, Pedagoga, Ana Rita de Paula, Psicóloga, Luciano Bitencourt, educador discutem com público presencial e sem fronteiras no link .


13h30min às 15h – Oficinas temáticasOficina 1.  Acessibilidade Informacional: LIBRAS.
José Carlos Ferreira e Viviane Barazzutti repartem experiências como Intérpretes de LIBRAS - UNISUL.
Oficina 2: Orientação de Carreira: Programa de Orientação de Carreira (POC).

Vanderlei Brasil, psicólogo e professor que coordena o Programa de Orientação de Carreira - UNISUL).
Oficina 3: Empregabilidade: Práticas da Fundação Dorina Nowill para Cegos e Avaliação Olfativa para Deficientes.

Fernanda Ferreira e Renata Ashcar vem do RJ partilhar experiência.


16h às 17h – Palestra:  Projeto Santa Catarina Acessível – Ministério Público Santa Catarina.
Profº Drº Daniel Paladino, do Ministério Público de SC discute a vivência das leis de acessibilidade.
Conclusão com o tradicional Chá da Acessibilidade no Espaço Hipermídia

“Passo por passo e saltaremos da inclusão à participação!” (Prof. Jaci Gonçalves)



quinta-feira, 20 de setembro de 2012


Acessibilidade é debatida em seminário


Evento do Programa de Promoção de Acessibilidade da Unisul discute a pesquisa, observação e aplicação de ações inclusivas, com apoio da Capes
Tempo de despertar apresenta a troca de práxis emocionante entre os professores e alunos cegos e surdos da UNISUL e PUC/Minas.

Confira: http://www.unisul.br/unisulhoje/ver-noticia.html?noticia.id=89789

terça-feira, 21 de agosto de 2012






Vivencie o I DESAFIO LIXO ZERO
nesta quarta-feira (22/8/2012) na UNISUL Pedra Branca ou onde você estiver.
Conheça novas práticas e o conceito de relação
sujeito-sujeito com a natureza.
Curta cantos, danças, rezos e pintura corporal guarani.
Desfrute o almoço coletivo na reativação do horto de Naturologia Aplicada.
Aproveite as oficinas de reciclagens à tarde.
Pinte o grafite criativo de homenagem à “Mãe Terra”.
Partilhe seus saberes no painel noturno com professores, líderes comunitários, empresários e alunos sob a ótica da relação sujeito-sujeito com o ambiente.
Contamos com sua participação ativa.


-Vale declaração para AACAS-
- horas para artigo 170 -

Confira a programação abaixo 




                                                 

                                              PROGRAMAÇÃO


Manhã/ Tarde


07:00– Início do I Desafio Lixo Zero – Prática da Reciclagem: um
direito de tod@s!

10:49 -Reativação do Horto da Naturologia Aplicada.

11:11- Rezos, danças e mantras guarani. Troca de Plantas Medicinais e Plantio de Árvores Sagradas. Mediador: Jaci Rocha
Gonçalves.

Falas: Autoridades universitárias.
Terra, nosso colo: Eunice Parai Cacique Guarani.
O Lixo Zero: Stefânia Hoffmann.
O Novo Horto: Diego Frazão e Alesio dos Passos.

12:30

– Almoço solidário. “Traga seu prato natural para
compartilhar”. Pão, tortas, sucos, frutas, e outras receitas para
desfrutarmos.
Exercício de criação da Compostagem: com os resíduos do almoço.

13:00

- Grafite: Gratidão à Mãe Terra. Eliza Makray, Luiza
Almeida e pintores guarani no paredão Bloco A.

13:45 – Prece: As Sete Direções Galácticas. Com Diego Bolonik.
14:30 – Palestra/ vivência: Xamanismo, empoderamento e crise

ambiental. Prof. Roberto Guterrez Marimon.
Local – Auditório C / Hipermídia.

15:15 – Projeto Espaço Recicle e o cartão azul. Stefânia Hoffmann.

Oficinas

(Hipermídia – bloco C)


13:00–17:00- Oficina Pintura Corporal pelo povo originário guarani.

13:00–17:30 – Oficina: Arte e artesanato guarani.
16:00 – Oficina: Sabão em Pedra com Glicerina.
17:00 – Oficina: Mosaico de reutilização de cerâmica.
17:30 – Oficina: A arte da Compostagem – ONG Olympo.
18:00 – Oficina: Construção de instrumentos musicais com resíduos recicláveis.
16:30 – Lanche comunitário: comida natural orgânica.

Noite/Auditório C

Painel: Desafio Lixo Zero e muito mais
Horário: 19:15h às 21:30h - Local: Auditório C
Mediadores: Prof. José Gabriel da Silva – Coord. Engenharia
Ambiental
Prof. Jaci Rocha Gonçalves – Revitalizando Culturas

Falas:
-Projeto Biodiesel: Êxitos e lições - Profa. Elisa Siegel Moecke (20’)
-Desafios: educação ambiental e reciclagem na Pinheira: – Prof. Hélia
Alice dos Santos, animadora comunitária. (20’)
-A Revolução pela Consciência - Rodrigo Sabatini, presidente da
Novociclo. (20’)
-Gerenciamento de resíduos: Fernanda Vanhoni, Eng. Ambiental. (20’)
-Projeto Espaço Recicle e o cartão azul. Stefânia Hoffmann. (5’)
Apartes por inscrição: (3’)

23:00 – Término do I Desafio Lixo Zero – Contabilização do
quanto foi reciclado.

Resumo:

O projeto I Desafio Lixo Zero é mais uma ação simples
em 13 anos de campus Pedra Branca. Quer fortalecer laços de respeito,
cuidado e amor à Mãe Terra. Um dia para lavar a alma e mergulhar
em novos conceitos biocráticos de relações amorosas urgentes e
possíveis com o universo.

Inclui atividades de conscientização e troca de vivências na prática de
como reciclar. Um cartão azul ajuda-nos a registrar os gestos concretos
diários de nossas relações de zelo pela saúde ambiental. Vamos curtir
o plantio de árvores nativas, consumo do natural orgânico, grafite,
danças, oficinas, falas e painéis sobre vivências exitosas no pensar
e agir da academia e comunidade do entorno numa dinâmica da
transformação de nossos contextos vitais.

O I Desafio Lixo Zero nasceu de universitários do campus Pedra
Branca, ampliou-se com as vivências da Novociclo da comunidade
Pedra Branca, da Engenharia Ambiental no Projeto Biodiesel na
comunidade da Pinheira, na revitalização do Horto e da Colina pela
Direção, a Naturologia e as trocas de sabedorias com os guarani

mediadas pelo programa Revitalizando Culturas.

Contatos:

Jaci Rocha Gonçalves (Revitalizando Culturas) jacirg@terra.com.br – cel.
8863-5444
Mariano A. M. Nogueira (NAP). mariano.nogueira@unisul.br - cel. 96568273
Michel Seeman (Unisul – gerência administrativa) michel.seemann@unisul.br –
cel. 84015072
Elisa H. S. Moecke (Eng. Ambiental) elisa.moecke@unisul.br
Aline Ali aline.avila@unisul.br cel. 84315907 / 32791365
Stefânia Mohedano (Novociclo): cel.88356542
stefania.hofmann@novociclo.com.br

Será concedida declaração e/ou certificado de
participação nas palestras, painel e oficinas com
valor de AACAS aos participantes.

Desafio Lixo Zero:
Reciclar. Repensar. Revitalizar.
Reduzir. Reusar. Recuperar.

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Mutirão/EncontroOrionólpolis

 Opções no dia 30, sábado


30 de junho, sábado: Encontro na Orionópolis. Horário: 14h-16:30h. Tema: culturas e a revolução do olhar. (Prof. Jaci Gonçalves).


Oficinas: troca de experiências em  grupos interdisciplinares. 


Quem participa recebe 10 horas do art. 170 e PROAAC.


Local: Orionópolis Catarinense – R. Frederico Afonso, 5568 – Divisa Ponte do Maruim/São José. Croqui no site da obra http://www.orionopolis.org.br/localizacao

30 de junho, sábado. Mutirão Ecológico e Educacional na Aldeia Itaty do Morro dos Cavalos.


8:00 - Iniciaremos o dia com uma roda de rezo com os guarani e demais voluntários.


8:30 – breve reunião sobre a preparação guarani para o ENEM.
8:45 – Mutirão de limpeza nas áreas abandonadas (cortar gramas e plantas intrusas, recolher o lixo).
11:00 – Construção de horta, composteira, plantio de arvores frutíferas e fitoterápicas.
12:00 - Pausa para uma breve alimentação com rezo.
12:40- Continuação do plantio.
14:00 – Oficina de manejo de Bambu (Facilitador Gabriel Grigoleto).
15:00 – Caminhada pelas antigas trilhas sagradas no Morro dos Cavalos para ajudar na sua reabertura e revitalização.
17:30 -  Encerramento do Mutirão com Rezo.
Quem participa o dia todo recebe 18h do art. 170 e PROAAC. Meio-dia recebe 10 horas.
Se puder, quem for leve material apropriado, ferramentas e sacos plásticos grandes.




Mais uma opção:
Precisamos de professores voluntários para os aulões de preparação dos guarani para o ENEM.

sábado, 23 de junho de 2012

FIBRA LEVOU O TROFÉU DO FAM


Que alegria poder repetir essa crônica sobre o FIBRA que fizemos na pré-estréia em março. Agora ganhou o FAM. Parabéns! É a cultura das pessoas com necessidades especiais protagonizando sua própria história pelo veículo de jornalistas crítico-criativos. 
        FIBRA: protagonismo do cidadão        
                                                             Jaci Rocha Gonçalves

     Vibração máxima pela vitória do documentário Fibra ganhando o FAM em Floripa, dos jornalistas Fernando Evangelista e Juliana Kroeger da produtora Doc Dois. Especialmente para o Revitalizando Culturas que tem como uma de suas rotinas estimular o desenvolvimento da cultura das pessoas com deficiência, tanto mentais quanto físicas. Fibra é uma obra que faltava para mostrar aos contemporâneos que as pessoas com deficiência podem ser protagonistas daquele tripé fundante de toda a revitalização cultural:  a autoestima, a autossustentação e, especialmente, o exercício da autonomia. 

O documentário revela de um lado a sabedoria dessas pessoas e suas capacidades de autodeterminação e inventividade, ao mesmo tempo em que mostra o viés ético dos jornalistas. De fato, segundo declararam à imprensa, alegam que a partir de vivências e entrevistas com o grupo, perceberam o protagonismo daquelas pessoas com deficiência mental, mudaram totalmente o roteiro de Fibra. Assim, roteirizaram suas histórias de vida e de organização em vista de um desenvolvimento pleno de todas as suas capacidades. 

Dizia Proust que a revolução não está em criar algo de novo mas em revolucionar o nosso olhar para as mesmas realidades mas com uma nova ótica.
     
 Parabéns aos jornalistas que um dia estiveram também aqui em nossas salas de aula no campus Pedra Branca da Unisul. Esse tipo de jornalismo inscreve-se na linha pedagógica de educação libertadora de Paulo Freire quando falava que toda obra científica tem direito a ser biocrática. Fibra está nessa lista.




     Na foto: Juliana Kroeger e Fernando Evangelista. Produtores do FIBRA.

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Aulões ENEM


Mutirão/aulões ENEM  Itaty e Pira Rupá
no Morro dos Cavalos (Palhoça)
Cronograma Junho/Novembro
Dois sábados em junho de 2012 para matemática.
Dois sábados em julho de 2012 para física:
Dois sábados de agosto de 2012 para química:
Dois sábados de setembro de 2012 para geografia:
Dois sábados de outubro de 2012 para biologia:
Obs.:
A relação pode ser alterada conforme necessário.
Cada mutirão de sábado são nos turnos matutino e vespertino, para melhor aproveitamento.
Equipe organizadora: Cesar Cancian Dalla Rosa cesaritaty@hotmail.com - tel.: 84447637  - Diretor da Escola Indígena Itaty do Morro dos Cavalos.
Profª Eunice Antunes – Cacique da Aldeia Itaty.
Prof. Jaci Rocha Gonçalves, Dr. – tel. 88635444
Coordenador do Grupo de Pesquisa e Extensão Revitalizando Culturas e Projeto Povos Originários  (Unisul).

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Guarani inaugura festa do IFSC. Mediação RC.

O Revitalizando Culturas teve a alegria de mediar a participação da aldeia Itaty na inauguração dos festejos dos  24 anos do Instituto Federal de Santa Catarina de São José (SC).

O professor Jaci Gonçalves, coordenador do RC, lembrou que há 10 anos, os guarani interagiram com outra geração de alunos que também vibraram nesse intercâmbio com um de nosso povos originários.


Jovens do coral guarani, Direção do IFSC e prof. Jaci Gonçalves.
Exercício de troca própria da economia de reciprocidade guarani.


Jovens guarani partilham canções de autoria própria.
Prof. Jaci Gonçalves, da Unisul,
facilita a mediação intercultural.



Alunas dançam  a dança d@ guerreir@ em círculo com os guarani.



sexta-feira, 20 de abril de 2012

Hoje, os guarani da aldeia Itaty, fazem um amplo balanço da

PEJU KATU NHEMOMBARAETE
VII Semana Cultural Guarani. Acolhem as autoridades da Saúde, da recém-criada Secretaria Nacional da Saúde. À tarde, fazem balanço através da apresentação de vídeo criado pelos próprios guarani com as autoridades da Educação municipal e estadual - esta devendo inclusive a merenda escolar até agora em pleno abril. Estarão no diálogo representantes da FUNAI,
Ontem,

No dia do Índio, mais de 300 estudantes interagiram com os guarani.

quinta-feira, 19 de abril de 2012

                     Guarani celebra Dia do Índio
                com Semana Cultural e AÇÕES JÁ!


Jaci Gonçalves, Professor da Unisul

Quando chegou 19 de abril de 2012, o Dia do Índio, a aldeia Guarani Itaty da Terra Indígena do Morro dos Cavalos já estava animando a VII Semana Cultural PEJU KATU NHEMOMBARAETE (Venha se fortalecer!) iniciada no sábado, 14 de abril de 2012 com um grande mutirão de limpeza AÇÕES JÁ.

Mergulho Endocultural: autoestima e autonomia

Em termos científicos, a antropologia cultural designa essa iniciativa guarani como de endoculturação. É a própria cultura dialogando consigo mesma, se pegando no colo, se fortalecendo, como diz o título da Semana Cultural. Noutras palavras, é "um mergulho endocultural" que resulta em crescimento de sua autoestima e autonomia.

De fato, pode-se observar na programação que todo o evento é embalado no inicio e no fim de cada dia pela liturgia mântrica do coral Tapé Mirim (Pequeno Caminho) que reúne em cantos e danças feitas por pessoas de todas as idades da aldeia, enfeitadas com adornos criativos extraídos da mãe natureza, como brincos, colares e óleos essenciais para suas pinturas corporais. Assim, dançando e cantando com seus Karaí, dão um abraço ao seu ethos cultural, ou seja, seu jeito próprio de se sentir o povo das palavras sem males que se move nos peabiru, caminhos da terra, em nome de Tupã, o grande criador.

A nova Cacique e as AÇÕES JÁ

Sua autonomia aparece como foco da Semana Cultural PEJU KATU NHEMOMBARAETE (Venha se fortalecer!). De um lado, elegendo com lucidez o Meio Ambiente como tema-foco da semana cultural em 2012. Além de aprofundar o tema da relação com a natureza como relação parental, o povo da nova cacique Eunice Antunes assume o que chamam de AÇÕES JÁ em favor do cuidado e da cura do bioma da Mata Atlântica naquele pedaço agora definitivamente demarcado para o guarani após o processo que transitou em julgado em dezembro de 2010.

Os guarani deixaram de propósito para esse 19 de abril a atividade de plantio de árvores nativas começando pelas margens da Br 101. Querem substituir aos poucos as plantas nativas em lugar das "intrusas tipo pinus" como diz o programa do Grupo Biodiversidade AÇÃO JÁ. E explicam:"Entendemos que bio é vida e diversidade são todas as espécies de vidas que convivem uns com outros."

O grupo de jovens da aldeia leva adiante mais um movimento AÇÃO JÁ que é também outra expressão endocultural. "Vamos limpar a aldeia e organizar a coleta de lixo, retirada dos Pinus sp.e vamos fazer reflorestamento com árvores nativas e escrever um relatório com o levantamento dos males causados pela BR 101. Essas ações se justificam, pois há anos e anos a comunidade procura soluções para os problemas, mas nunca foi feito uma ação direta da aldeia para fora. Sempre foram feitos de fora para dentro e nós sempre acreditávamos nas falas dos brancos e até hoje continuamos com os mesmos problemas e reivindicando as mesmas coisas. Por isso nós da comunidade do Morro dos Cavalos estamos fazendo esse movimento chamado de AÇÃO JÁ."
Venham tod@s! É a aculturação guaranítica.

Essa autoestima e autonomia cultural do guarani, porém, se reveste de um caráter de abertura para o outro: de aculturação. Por isso o AÇÃO JÁ começou no sábado com um grande mutirão de limpeza do lixo. Estavam presentes os guarani, os grupos de jovens, universitários e a Polícia Ambiental que tem interagido com frequência na aldeia.

Nesse sentido é bom lembrar o antropólogo Bartomeu Meliá quando diz que no jeito de ser do guarani se respira universalidade, aquele jeito que muitas vezes admiramos em alguns povos orientais. O guarani é aberto à convivência e em mais essa semana tem acolhido alunos de muitas escolas e muitos grupos de amigos solidários com sua luta.



Cunumim (menina) Guarani da Aldeia Itaty da TI Morro dos Cavalos. Refazendo o bioma da Mata Atlântica com plantio de Pindó (palmeira sagrada guarani).
Ñe’ engatu  - a língua brasileira
1757-1988: a volta dos direitos de
comunicação.




Todos nós seres humanos, independente de etnia, idade e poder aquisitivo, merecemos respeito e o direito de viver bem onde quer que estejamos. Apesar disto, por muito tempo, aqui no Brasil, nós não tínhamos o direito de manter nossos costumes, crenças e tradições originárias próprias. Um exemplo deontológico disto foi a Lei do Diretório Geral de 03 de maio de 1757 que proibiu o Ñe’engatu de continuar sendo a língua oficial brasileira.

   A partir da Constituição de 1988, art. 215 - 216 ocorreram mudanças diceológicas, ou seja, a recuperação plena dos direitos à diversidade cultural, especialmente dos povos que sofreram com a proibição do Ñe’engatu: indígenas, negros e mestiços.


   Hoje em dia podemos dizer que existem leis que de certa forma nos ajudam a manter nossas origens, e a preservar nossas decisões como meio indispensável para viver e ter um lugar na sociedade que resgatou a diceologia na comunicação. Quando vamos estudar de volta o
Ñe’engatu? Os guarani podem nos ensinar.





 Por: Natália de Ávila

       FOTO: Egon Dionísio Heck. (OngCea)

 

Ñe’engatu  - a língua brasileira
1757-1988: a volta dos direitos de comunicação.
Todos nós seres humanos, independente de etnia, idade e poder aquisitivo, merecemos respeito e o direito de viver bem onde quer que estejamos. Apesar disto, por muito tempo, aqui no Brasil, nós não tínhamos o direito de manter nossos costumes, crenças e tradições originárias próprias. Um exemplo deontológico disto foi a Lei do Diretório Geral de 03 de maio de 1757 que proibiu o Ñe’engatu de continuar sendo a língua oficial brasileira.

   A partir da Constituição de 1988, art. 215 - 216 ocorreram mudanças diceológicas, ou seja, a recuperação plena dos direitos à diversidade cultural, especialmente dos povos que sofreram com a proibição do Ñe’engatu: indígenas, negros e mestiços.


   Hoje em dia podemos dizer que existem leis que de certa forma nos ajudam a manter nossas origens, e a preservar nossas decisões como meio indispensável para viver e ter um lugar na sociedade que resgatou a diceologia na comunicação. Quando vamos estudar de volta o
Ñe’engatu? Os guarani podem nos ensinar.

quarta-feira, 11 de abril de 2012

VII Semana Cultural Guarani
Confiram a programação:

14/04/12 - Sábado.

8h - Abertura com música a Nhanderu com o coral TAPE MIRIM. Café comunitário.

9h – II Mutirão de limpeza com retirada de lixo. Mbyá, visitantes e polícia ambiental.

16/04/12 - Segunda – feira.

8:30h - Coral TAPE MIRIM canta e dança a Nhanderu.

8:45h - Palestra com os líderes espirituais: Alcindo Werá Tupã, Rosa Mariani e Geraldo Karaí Okenda.

10h ao meio-dia: Lanche comunitário. Exposição de Artesanatos.

Vídeos guarani (10 anos AIMG/UNISUL: 1) Tery Marae-y. 2) Mboray Marae-y. 3) Clipes: Tapé Miri/Nhanhembojere e Xondaro. Semana Indígena 2002. Teaser Jerojy Marae-y e Dança do Século.


12h – Almoço comunitário.

13h – Apresentação dos trabalhos. Alunos do Ensino Médio: a maquete da Terra Indígena Morro dos Cavalos. Pontos positivos e negativos da sua biodiversidade.

15h – Lanche comunitário.

15:30h – Atividades em grupos

17h – Encerramento: cantos e danças sagradas com o coral TAPE MIRIM.

 

17/04/12 - Terça-feira.

8h – Coral TAPE MIRIM canta e dança a Nhanderu.

Vídeo nas Aldeias. Indígenas Digitais: Pankararu, Pataxó Hãhãhãe e Tupinambá.  Tainá II, de Mauro Lima.

Exposição de artesanatos.

10h – Lanche comunitário.

10:30h – Oficina de pintura facial e corporal.

12h -  Almoço comunitário.

13h – Apresentação dos trabalhos. Turmas 6ª e 8ª  séries.

Tema: Alimentação tradicional e alimentação introduzida.

15h – Lanche comunitário.

15:30h – Atividades em grupos com todas as turmas.

17h – Encerramento: cantos e danças sagradas com o coral TAPE MIRIM.

 

18/04/12 - Quarta- feira.

8h – Coral TAPE MIRIM canta e dança a Nhanderu.

Exposição de artesanatos.

Vídeo guarani: IV UniDiversidade – Povos Originários e Espiritualidades, de Vitor Gnecco. Mbyá-guarani: Guerreiros da Liberdade, de Charles Cesconeto.


10h – Lanche comunitário.

10:30h – Oficina de produção de texto e desenhos.

12h – Almoço.

13h – Apresentação dos trabalhos. Turmas de 4ª e 5ª séries.

Tema: O espaço, território e limite da aldeia indígena Morro dos Cavalos, com mapas.

15h -  Lanche comunitário.

15:30h –Atividades em grupos com todas as turmas.

17h – Encerramento: cantos e danças sagradas com o coral TAPE MIRIM.

 

19/04/12 - Quinta-feira.

8h – Coral TAPE MIRIM canta e dança a Nhanderu.

Exposição de artesanatos.

Vídeo guarani: Mbyá Reko (Vida Guarani), autoria coletiva e Brasil Indígena, de Isa Grispum e Darci Ribeiro.

10h – Lanche comunitário.

10:30h – Plantio de árvores nativas.

12h – Almoço comunitário.

13h – apresentação dos trabalhos de 1º e 3º série sobre meio ambiente (teatro).

15h – Lanche comunitário.

15:30h – Atividades com todas as turmas.

17:00 -  Encerramento: cantos e danças sagradas com o coral TAPE MIRIM.


20/04/12 - Sexta-feira

8h - Coral TAPE MIRIM canta e dança a Nhanderu.

9h – Reunião com o SESAI (Secretaria da Saúde Indígena):  Aparecido Geraldo da Costa e Polo Base de Saúde Indígena: Adriana Lucia Santana .

10h – Lanche comunitário.

10:30h – Reunião com SESAI e Polo Base de Saúde Indígena (cont.).

12h – Almoço Tradicional Guarani.

13h – Reunião com Secretaria Municipal de Educação; SEED (Secretaria Estadual de Educação): Mário Benedet; FUNAI: Fernanda Cerqueira e EPAGRI: Flavia Simão Lapa e GERED (Gerência Regional de Educação): Rosélia Aparecida Castro  e Direção da Escola Itaty: César Cansian Dallarosa.

17h – Encerramento com coral TAPE MIRIM com todos os alunos, pais e visitantes.

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Buona Pasqua con sapore guarani!


Buona Pasqua a voi, cari amici, con l'ermeneutica di Eunice Kunha Karaí della Aldeia Itaty, vicino a noi. È una giovane cacico dei guarani, popolo originario brasiliano.




Feliz páscoa com sabor originário do sagrado segundo Eunice a mais nova cacique dos guarani.

sexta-feira, 6 de abril de 2012

Mutirão na Itaty.

Nossa Ação Já.

Propostas de Líderes guarani na visita à Unisul.


"A nossa primeira Ação Já é o mutirão na manhã de 14 de abril, sábado pela manhã para a coleta, separação e reciclagem do lixo", explicou o grupo guarani da aldeia Itaty na visita desta terça-feira santa, 3 de abril à tarde, no campus Norte da unidade Pedra Branca da  Unisul.

Nossos grupos de alunos do Horto e de projetos de Extensão já estão organizando nossa participação de extensionistas e voluntários, incluindo também professores e colaboradores.

Se você deseja participar, dê um alô no e-mail revitalizandoculturas@gmail.com ou pelo fone 32791114 das 14:30h às 18:30. 


O Revitalizando Culturas acolheu a visita de três líderes indígenas guarani: o Jovem Eliézer (2° esq.), coodenador do grupo Renascer, a jovem Ester Araí Antunes (camiseta vermelha) do Grupo Biodiversidade e a nova cacique Eunice Antunes (camiseta preta).

As lideranças indígenas tem a assessoria da agrônoma Flávia Simão Lapa (camiseta azul), do Programa SC Rural que acompanha atividades nas aldeias de Palhoça e de Imaruí.

domingo, 1 de abril de 2012

Eunice Antunes.

Primeira cacique mulher no Morro Sagrado. 


“As mulheres guarani também seguem os passos de Dilma”, explica o professor e escritor Adão Karaí Tataendy.
Sua filha Eunice Antunes é a nova cacique da Aldeia Itaty da (TI) Terra Indígena do Morro dos Cavalos aqui de Palhoça.

No encontro deste sábado na Itaty, tinham esse segredo para nos contar.  O foco da zarabatana foi a agenda de 2012  como ano que veio encharcado de clima de revitalização entre humanos e a biodiversidade.
Depois eu conto mais detalhes.
Parabéns e coragem, Eunice. Primeira cacique mulher  guarani no Morro Sagrado junto ao Vale do Maciambu.
Aweté, Nhanderu! (Deus nos abençoe!)


 
Eunice Antunes é a cacique da Aldeia Itaty de Palhoça.


A cacique  com jovens guarani no encontro de biodiversidade.
Parque da Serra do Tabuleiro no  Vale do Maciambu.