terça-feira, 27 de março de 2012

        FIBRA: protagonismo do cidadão        


     Vibração máxima pela pré-estréia do documentário Fibra, dos jornalistas Fernando Evangelista e Juliana Kroeger da produtora Doc Dois em março. Especialmente para o Revitalizando Culturas que tem como uma de suas rotinas estimular o desenvolvimento da cultura das pessoas com deficiência, tanto mentais quanto físicas. Fibra é uma obra que faltava para mostrar aos contemporâneos que as pessoas com deficiência podem ser protagonistas daquele tripé fundante de toda a revitalização cultural:  a autoestima, a autossustentação e, especialmente, o exercício da autonomia. 

O documentário revela de um lado a sabedoria dessas pessoas e suas capacidades de autodeterminação e inventividade, ao mesmo tempo em que mostra o viés ético dos jornalistas. De fato, segundo declararam à imprensa, alegam que a partir de vivências e entrevistas com o grupo, perceberam o protagonismo daquelas pessoas com deficiência mental, mudaram totalmente o roteiro de Fibra. Assim, roteirizaram suas histórias de vida e de organização em vista de um desenvolvimento pleno de todas as suas capacidades. 

Dizia Proust que a revolução não está em criar algo de novo mas em revolucionar o nosso olhar para as mesmas realidades mas com uma nova ótica.
     
 Parabéns aos jornalistas que um dia estiveram também aqui em nossas salas de aula no campus Pedra Branca da Unisul. Esse tipo de jornalismo inscreve-se na linha pedagógica de educação libertadora de Paulo Freire quando falava que toda obra científica tem direito a ser biocrática. Fibra está nessa lista.




     Na foto: Juliana Kroeger e Fernando Evangelista. Produtores do FIBRA.

sexta-feira, 16 de março de 2012

   Revitalizando e guarani em documentário de  temas polêmicos

      O documentário sobre os temas polêmicos  Terra sem Mal – O Caminho do Peabiru terá a presença dos mbyá-guarani com gravações e depoimentos no Morro Sagrado e na Embocadura do Rio Maciambu, em Palhoça (SC), Brasil. É onde mais de quatro mil guarani acolheram esse náufrago e muitos outros no século XVI.

       Jaci Gonçalves, doutor em Teologia e Culturas e prof. da UNISUL  fez várias revelações inéditas sobre documentos da época e vivências da atualidade sobre o modo de ser e sentir a vida do povo originário guarani. O documentário tem a realização da ONG Barra Sul, a direção de Chico Pereira e coordenação de Zuca Campagna. Prof. Jaci coordena o Grupo de Pesquisa e Programa de Extensão Revitalizando Culturas.
                                
                                  

                                       
       
 Prof. Jaci com o cineasta Chico Pereira e o cacique Teófilo na embocadura do Rio Maciambu. Documentário Terra sem mal - O caminho do Peabiru.  Foto: VelhoBruxo.

terça-feira, 13 de março de 2012

Cacique fotografa e pede etnografia
  O cacique  Teófilo Gonçalves sempre muito ativo repassou ao Revitalizando mais de 100 fotos que tirou no Encontro Guarani de Aldeias em Missiones na Argentina. Nesse dia 15 de março, os caciques voltam a se encontrar para contribuir com a Rio+20 no norte argentino, junto às três fronteiras.
Essa é mais uma boa oportunidade para trabalhar nosso olhar a partir do olhar dos diferentes. Nesse caso, com os remanescentes dos povos originários em  cuja cultura é inadmissível que se lhes cobre fronteiras e cercas em sua mãe chamada terra.
Alun@s que queiram fazer as legendas etnográficas para organizar exposição das fotos e elaborar  etnoslide  musicado podem procurar-nos. É um rico material a ser oferecido às pessoas. A venda dos produtos pode trazer ganhos financeiros para fortalecer  essa troca de informações  entre as comunidades de povos originários.

Cacique Teófilo e prof. Adão Tataendy com alunos da Unisul. Eles recebem certificados por trabalhos acadêmicos junto aos estudantes. A reunião é na Opy da aldeia Itaty feita para o djuruá (não-índio) curtir esse modo guarani de fazer reunião: no recinto terapêutico e sagrado junto do fogo e do petyngá (cachimbo sagrado).

sexta-feira, 9 de março de 2012

 Aula Inaugural: Pedagog@s Pluralistas



Pedagog@s Pluralistas foi o tema da aula inaugural do curso de Pedagogia de TB a pedido de profa. Marileia e equipe discutindo profissão e perfil pluralista.
O palestrante professor da Unisul Jaci Rocha Gonçalves focou a importância da construção de um novo olhar na relação educativa. Lembrou a memória provocante do prof. Dr. Luiz Alberto Marques citando trechos de sua obra póstuma, deixada em revisão no computador do Grupo de Pesquisa Revitalizando Culturas. “Meu foco de interesse é pesquisar temas vinculados a micro história e educação, cultura local e regional, escola e cotidiano, educação e meio... Eu gosto de ver meus alunos participando da Revolução do Olhar, em curso na humanidade!” 
 No salão nobre, 220 participantes alun@s e docentes puderam refletir interagindo, cantando e dançando sonhos desafiadores do milênio. “Esse grupo representa a esperança de assumir como pauta essencial da educação para tod@s, esse desafio multimilenar dos humanos: cultivar um perfil pessoal e profissional pluralista, isto é, de relação de igualdade na convivência com o diferente.” O professor lembrou que é uma consciência crescente como se pode sentir nas Declarações de Direito à Diferença Cultural (Durban, 2001) e dos Direitos dos Povos Originários (Paris, 2007).
  A noite terminou com sorteio de muitos livros para os presentes e uma grande roda de samba.


 
Professor Jaci Gonçalves, coordenador do Revitalizando Culturas conversa com alun@s e docentes na aula inaugural do Curso de Pedagogia e Educação Especial em TB. "Estou diante de educador@s de educadores."

        Nos jardins da Biblioteca do campus Pedra Branca os guarani plantaram um Pindó (Palmeira Sagrada) em homenagem ao prof.  Beto Marques. No início de 2012 a Unisul multiplicou por cerca de 30 Pindó. Os alunos vibraram como se fosse a preparação da Rio+20.  Aweté, Nhanderu! (Deus nos abençoe! Em língua guarani) E ao Beto, Aleir e também a todos os nossos antepassados.


quinta-feira, 8 de março de 2012

     A escolha da Trilha sonora é o CD etnográfico Mbya-guarani
 





Estudantes do UNISUL/Revitalizando Culturas e Universidade Federal da Bahia estão concluindo tratativas burocráticas para viabilizar o uso de músicas do CD Tery-Maraey, de 2002, do coral mbyá-guarani  Kuaray ouá. Alunas voluntárias do art. 170 estão se  responsabilizando com a garantia do direito autoral e  dos direitos patrimoniais de uso da obra.

As tratativas são com  Inácio da Silva, o autor das músicas e hoje um jovem Karaí (pajé) guarani na aldeia Marangatu do município de Imaruí (SC). O registro dessas músicas rompeu 250 anos de jejum de reconhecimento do direito autoral. Foi devido à lei de proibição de uso da língua guarani nos idos de 1755. De fato, segundo a Biblioteca Nacional, era o primeiro registro de música em guarani de que se tem notícia até então.

As músicas vão ser trilha sonora do documentário coordenado por Carlos Vin Lopes do projeto  Caravana da Integração da UFBA.

A produção do CD foi coordenada pelo UNISUL/Revitalizando Culturas, Curso de Comunicação Social Pedra Branca e AIMG - Associação Indígena Mbyá-guarani. Lançado com apoio  Fundação Catarinense de Cultura (FCC).

quarta-feira, 7 de março de 2012


 Orionópolis na ITATY


   O Revitalizando agradece  mais um gesto de solidariedade à Orionópolis nesse início de Março. Com a força do Padre Maneca e Darci  os mbyá  da aldeia Itaty receberam socorro de alimentos. Infelizmente  há dois meses  as cestas básicas da FUNAI e a merenda da SEEC não aconteceram. A Etelvina, nova cozinheira fez o acolhimento. A Orionópolis é uma das entidades fiéis à sua determinação religiosa de vivenciar os seus Peabiru  (caminhos sagrados)  e cuidar de seus morros sagrados que guardam memórias ancestrais. 
  

terça-feira, 6 de março de 2012

Espiritualidades: com sabor pluralista!

Espiritualidades: partilhamos com você, car@ amig@ alguns etnoslides multiculturais. Eles foram criados por acadêmic@s voluntários. São inéditos e estão sonorizados com o mesmo feitio de olhar pluralista. Curta a vontade e depois, se quiser deixe-nos o seu comentário.