sexta-feira, 20 de abril de 2012

Hoje, os guarani da aldeia Itaty, fazem um amplo balanço da

PEJU KATU NHEMOMBARAETE
VII Semana Cultural Guarani. Acolhem as autoridades da Saúde, da recém-criada Secretaria Nacional da Saúde. À tarde, fazem balanço através da apresentação de vídeo criado pelos próprios guarani com as autoridades da Educação municipal e estadual - esta devendo inclusive a merenda escolar até agora em pleno abril. Estarão no diálogo representantes da FUNAI,
Ontem,

No dia do Índio, mais de 300 estudantes interagiram com os guarani.

quinta-feira, 19 de abril de 2012

                     Guarani celebra Dia do Índio
                com Semana Cultural e AÇÕES JÁ!


Jaci Gonçalves, Professor da Unisul

Quando chegou 19 de abril de 2012, o Dia do Índio, a aldeia Guarani Itaty da Terra Indígena do Morro dos Cavalos já estava animando a VII Semana Cultural PEJU KATU NHEMOMBARAETE (Venha se fortalecer!) iniciada no sábado, 14 de abril de 2012 com um grande mutirão de limpeza AÇÕES JÁ.

Mergulho Endocultural: autoestima e autonomia

Em termos científicos, a antropologia cultural designa essa iniciativa guarani como de endoculturação. É a própria cultura dialogando consigo mesma, se pegando no colo, se fortalecendo, como diz o título da Semana Cultural. Noutras palavras, é "um mergulho endocultural" que resulta em crescimento de sua autoestima e autonomia.

De fato, pode-se observar na programação que todo o evento é embalado no inicio e no fim de cada dia pela liturgia mântrica do coral Tapé Mirim (Pequeno Caminho) que reúne em cantos e danças feitas por pessoas de todas as idades da aldeia, enfeitadas com adornos criativos extraídos da mãe natureza, como brincos, colares e óleos essenciais para suas pinturas corporais. Assim, dançando e cantando com seus Karaí, dão um abraço ao seu ethos cultural, ou seja, seu jeito próprio de se sentir o povo das palavras sem males que se move nos peabiru, caminhos da terra, em nome de Tupã, o grande criador.

A nova Cacique e as AÇÕES JÁ

Sua autonomia aparece como foco da Semana Cultural PEJU KATU NHEMOMBARAETE (Venha se fortalecer!). De um lado, elegendo com lucidez o Meio Ambiente como tema-foco da semana cultural em 2012. Além de aprofundar o tema da relação com a natureza como relação parental, o povo da nova cacique Eunice Antunes assume o que chamam de AÇÕES JÁ em favor do cuidado e da cura do bioma da Mata Atlântica naquele pedaço agora definitivamente demarcado para o guarani após o processo que transitou em julgado em dezembro de 2010.

Os guarani deixaram de propósito para esse 19 de abril a atividade de plantio de árvores nativas começando pelas margens da Br 101. Querem substituir aos poucos as plantas nativas em lugar das "intrusas tipo pinus" como diz o programa do Grupo Biodiversidade AÇÃO JÁ. E explicam:"Entendemos que bio é vida e diversidade são todas as espécies de vidas que convivem uns com outros."

O grupo de jovens da aldeia leva adiante mais um movimento AÇÃO JÁ que é também outra expressão endocultural. "Vamos limpar a aldeia e organizar a coleta de lixo, retirada dos Pinus sp.e vamos fazer reflorestamento com árvores nativas e escrever um relatório com o levantamento dos males causados pela BR 101. Essas ações se justificam, pois há anos e anos a comunidade procura soluções para os problemas, mas nunca foi feito uma ação direta da aldeia para fora. Sempre foram feitos de fora para dentro e nós sempre acreditávamos nas falas dos brancos e até hoje continuamos com os mesmos problemas e reivindicando as mesmas coisas. Por isso nós da comunidade do Morro dos Cavalos estamos fazendo esse movimento chamado de AÇÃO JÁ."
Venham tod@s! É a aculturação guaranítica.

Essa autoestima e autonomia cultural do guarani, porém, se reveste de um caráter de abertura para o outro: de aculturação. Por isso o AÇÃO JÁ começou no sábado com um grande mutirão de limpeza do lixo. Estavam presentes os guarani, os grupos de jovens, universitários e a Polícia Ambiental que tem interagido com frequência na aldeia.

Nesse sentido é bom lembrar o antropólogo Bartomeu Meliá quando diz que no jeito de ser do guarani se respira universalidade, aquele jeito que muitas vezes admiramos em alguns povos orientais. O guarani é aberto à convivência e em mais essa semana tem acolhido alunos de muitas escolas e muitos grupos de amigos solidários com sua luta.



Cunumim (menina) Guarani da Aldeia Itaty da TI Morro dos Cavalos. Refazendo o bioma da Mata Atlântica com plantio de Pindó (palmeira sagrada guarani).
Ñe’ engatu  - a língua brasileira
1757-1988: a volta dos direitos de
comunicação.




Todos nós seres humanos, independente de etnia, idade e poder aquisitivo, merecemos respeito e o direito de viver bem onde quer que estejamos. Apesar disto, por muito tempo, aqui no Brasil, nós não tínhamos o direito de manter nossos costumes, crenças e tradições originárias próprias. Um exemplo deontológico disto foi a Lei do Diretório Geral de 03 de maio de 1757 que proibiu o Ñe’engatu de continuar sendo a língua oficial brasileira.

   A partir da Constituição de 1988, art. 215 - 216 ocorreram mudanças diceológicas, ou seja, a recuperação plena dos direitos à diversidade cultural, especialmente dos povos que sofreram com a proibição do Ñe’engatu: indígenas, negros e mestiços.


   Hoje em dia podemos dizer que existem leis que de certa forma nos ajudam a manter nossas origens, e a preservar nossas decisões como meio indispensável para viver e ter um lugar na sociedade que resgatou a diceologia na comunicação. Quando vamos estudar de volta o
Ñe’engatu? Os guarani podem nos ensinar.





 Por: Natália de Ávila

       FOTO: Egon Dionísio Heck. (OngCea)

 

Ñe’engatu  - a língua brasileira
1757-1988: a volta dos direitos de comunicação.
Todos nós seres humanos, independente de etnia, idade e poder aquisitivo, merecemos respeito e o direito de viver bem onde quer que estejamos. Apesar disto, por muito tempo, aqui no Brasil, nós não tínhamos o direito de manter nossos costumes, crenças e tradições originárias próprias. Um exemplo deontológico disto foi a Lei do Diretório Geral de 03 de maio de 1757 que proibiu o Ñe’engatu de continuar sendo a língua oficial brasileira.

   A partir da Constituição de 1988, art. 215 - 216 ocorreram mudanças diceológicas, ou seja, a recuperação plena dos direitos à diversidade cultural, especialmente dos povos que sofreram com a proibição do Ñe’engatu: indígenas, negros e mestiços.


   Hoje em dia podemos dizer que existem leis que de certa forma nos ajudam a manter nossas origens, e a preservar nossas decisões como meio indispensável para viver e ter um lugar na sociedade que resgatou a diceologia na comunicação. Quando vamos estudar de volta o
Ñe’engatu? Os guarani podem nos ensinar.

quarta-feira, 11 de abril de 2012

VII Semana Cultural Guarani
Confiram a programação:

14/04/12 - Sábado.

8h - Abertura com música a Nhanderu com o coral TAPE MIRIM. Café comunitário.

9h – II Mutirão de limpeza com retirada de lixo. Mbyá, visitantes e polícia ambiental.

16/04/12 - Segunda – feira.

8:30h - Coral TAPE MIRIM canta e dança a Nhanderu.

8:45h - Palestra com os líderes espirituais: Alcindo Werá Tupã, Rosa Mariani e Geraldo Karaí Okenda.

10h ao meio-dia: Lanche comunitário. Exposição de Artesanatos.

Vídeos guarani (10 anos AIMG/UNISUL: 1) Tery Marae-y. 2) Mboray Marae-y. 3) Clipes: Tapé Miri/Nhanhembojere e Xondaro. Semana Indígena 2002. Teaser Jerojy Marae-y e Dança do Século.


12h – Almoço comunitário.

13h – Apresentação dos trabalhos. Alunos do Ensino Médio: a maquete da Terra Indígena Morro dos Cavalos. Pontos positivos e negativos da sua biodiversidade.

15h – Lanche comunitário.

15:30h – Atividades em grupos

17h – Encerramento: cantos e danças sagradas com o coral TAPE MIRIM.

 

17/04/12 - Terça-feira.

8h – Coral TAPE MIRIM canta e dança a Nhanderu.

Vídeo nas Aldeias. Indígenas Digitais: Pankararu, Pataxó Hãhãhãe e Tupinambá.  Tainá II, de Mauro Lima.

Exposição de artesanatos.

10h – Lanche comunitário.

10:30h – Oficina de pintura facial e corporal.

12h -  Almoço comunitário.

13h – Apresentação dos trabalhos. Turmas 6ª e 8ª  séries.

Tema: Alimentação tradicional e alimentação introduzida.

15h – Lanche comunitário.

15:30h – Atividades em grupos com todas as turmas.

17h – Encerramento: cantos e danças sagradas com o coral TAPE MIRIM.

 

18/04/12 - Quarta- feira.

8h – Coral TAPE MIRIM canta e dança a Nhanderu.

Exposição de artesanatos.

Vídeo guarani: IV UniDiversidade – Povos Originários e Espiritualidades, de Vitor Gnecco. Mbyá-guarani: Guerreiros da Liberdade, de Charles Cesconeto.


10h – Lanche comunitário.

10:30h – Oficina de produção de texto e desenhos.

12h – Almoço.

13h – Apresentação dos trabalhos. Turmas de 4ª e 5ª séries.

Tema: O espaço, território e limite da aldeia indígena Morro dos Cavalos, com mapas.

15h -  Lanche comunitário.

15:30h –Atividades em grupos com todas as turmas.

17h – Encerramento: cantos e danças sagradas com o coral TAPE MIRIM.

 

19/04/12 - Quinta-feira.

8h – Coral TAPE MIRIM canta e dança a Nhanderu.

Exposição de artesanatos.

Vídeo guarani: Mbyá Reko (Vida Guarani), autoria coletiva e Brasil Indígena, de Isa Grispum e Darci Ribeiro.

10h – Lanche comunitário.

10:30h – Plantio de árvores nativas.

12h – Almoço comunitário.

13h – apresentação dos trabalhos de 1º e 3º série sobre meio ambiente (teatro).

15h – Lanche comunitário.

15:30h – Atividades com todas as turmas.

17:00 -  Encerramento: cantos e danças sagradas com o coral TAPE MIRIM.


20/04/12 - Sexta-feira

8h - Coral TAPE MIRIM canta e dança a Nhanderu.

9h – Reunião com o SESAI (Secretaria da Saúde Indígena):  Aparecido Geraldo da Costa e Polo Base de Saúde Indígena: Adriana Lucia Santana .

10h – Lanche comunitário.

10:30h – Reunião com SESAI e Polo Base de Saúde Indígena (cont.).

12h – Almoço Tradicional Guarani.

13h – Reunião com Secretaria Municipal de Educação; SEED (Secretaria Estadual de Educação): Mário Benedet; FUNAI: Fernanda Cerqueira e EPAGRI: Flavia Simão Lapa e GERED (Gerência Regional de Educação): Rosélia Aparecida Castro  e Direção da Escola Itaty: César Cansian Dallarosa.

17h – Encerramento com coral TAPE MIRIM com todos os alunos, pais e visitantes.

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Buona Pasqua con sapore guarani!


Buona Pasqua a voi, cari amici, con l'ermeneutica di Eunice Kunha Karaí della Aldeia Itaty, vicino a noi. È una giovane cacico dei guarani, popolo originario brasiliano.




Feliz páscoa com sabor originário do sagrado segundo Eunice a mais nova cacique dos guarani.

sexta-feira, 6 de abril de 2012

Mutirão na Itaty.

Nossa Ação Já.

Propostas de Líderes guarani na visita à Unisul.


"A nossa primeira Ação Já é o mutirão na manhã de 14 de abril, sábado pela manhã para a coleta, separação e reciclagem do lixo", explicou o grupo guarani da aldeia Itaty na visita desta terça-feira santa, 3 de abril à tarde, no campus Norte da unidade Pedra Branca da  Unisul.

Nossos grupos de alunos do Horto e de projetos de Extensão já estão organizando nossa participação de extensionistas e voluntários, incluindo também professores e colaboradores.

Se você deseja participar, dê um alô no e-mail revitalizandoculturas@gmail.com ou pelo fone 32791114 das 14:30h às 18:30. 


O Revitalizando Culturas acolheu a visita de três líderes indígenas guarani: o Jovem Eliézer (2° esq.), coodenador do grupo Renascer, a jovem Ester Araí Antunes (camiseta vermelha) do Grupo Biodiversidade e a nova cacique Eunice Antunes (camiseta preta).

As lideranças indígenas tem a assessoria da agrônoma Flávia Simão Lapa (camiseta azul), do Programa SC Rural que acompanha atividades nas aldeias de Palhoça e de Imaruí.

domingo, 1 de abril de 2012

Eunice Antunes.

Primeira cacique mulher no Morro Sagrado. 


“As mulheres guarani também seguem os passos de Dilma”, explica o professor e escritor Adão Karaí Tataendy.
Sua filha Eunice Antunes é a nova cacique da Aldeia Itaty da (TI) Terra Indígena do Morro dos Cavalos aqui de Palhoça.

No encontro deste sábado na Itaty, tinham esse segredo para nos contar.  O foco da zarabatana foi a agenda de 2012  como ano que veio encharcado de clima de revitalização entre humanos e a biodiversidade.
Depois eu conto mais detalhes.
Parabéns e coragem, Eunice. Primeira cacique mulher  guarani no Morro Sagrado junto ao Vale do Maciambu.
Aweté, Nhanderu! (Deus nos abençoe!)


 
Eunice Antunes é a cacique da Aldeia Itaty de Palhoça.


A cacique  com jovens guarani no encontro de biodiversidade.
Parque da Serra do Tabuleiro no  Vale do Maciambu.