quinta-feira, 14 de março de 2013


Habemus Papa Francisco! Que seja papa SSD!




Em minha primeira nota sobre o conclave, lembrando romances, escrevi: "E o último romance que li diz que o nome do novo papa poderia ser: ‘Francisco I’ ! Rezemos." O autor daquele romance Habemus Papam, Francesco, é o padre Paolo Farinella, discípulo do outro jesuíta, o cardeal Martini. Da editora Gabrielli, ano 2000. 

Feliz coincidência que o primeiro jesuíta escolhido para ser Papa adote o nome programático de Francisco. E já deu sinais do porquê do nome escolhido: pede bênção ao povo, antes de oferecê-la. Chama o povo de irmãos e irmãs, portanto em masculino e feminino, traz a analogia do "caminho" (diz que vem do fim do mundo!) e programa como tema fundante da oração o mais querido ao Santo de Assis: fraternidade! 

Diz: "Vamos seguir esse caminho juntos. Vamos orar uns pelos outros para que haja grande fraternidade." 

O papa Francisco parece unir duas características essenciais para o nosso tempo: uma comunicação simples de pastor do povão e, ao mesmo tempo, é traquejado na convivência com a dinâmica e/ou inércia burocrática dos mundos religioso e profano. 

Embora da segunda Itália do mundo, a Argentina, e descendente de europeus, nasceu e cresceu para cá do Atlântico. Sua história e escolha mostram que parece querer unir simplicidade de Francisco e esperteza de jesuíta. 

Mas a grande expectativa continua sendo aquela esquecida pela mídia internacional e até mesmo pelo Vaticano. A realização do subtítulo de Francisco e dos outros papas vigente até aqui: SSD – Servus Servorum Dei (Servidor dos Servidores de Deus). Inspirado no Cristo que usa avental e lava os pés aos discípulos, esse título do Papa tem sido até tema de bestseller para executivo como o The Serviator (O monge e o executivo) ou a figura de Deus em A Cabana. Espera-se que simbolize uma Igreja servidora da vida para todos e tudo. 


Mas o desafio está aí. Salve, Jorge! Com o povo em oração e organização, qualquer poder treme. Mas tudo, sem perder a graça, é claro. Dessa vez o papa foi quase brasileiro. Mas o jeito de brincar, certamente aprendeu por aqui.




LINKS DOS ARTIGOS SOBRE A SUCESSÃO PAPAL.
POR JACI ROCHA GONÇALVES:

http://diariocatarinense.clicrbs.com.br/sc/geral/noticia/2013/03/teologo-jaci-rocha-goncalves-habemus-papam-na-convivencia-do-simbolico-e-do-diabolico-4071700.html

http://www.unisul.br/wps/portal/unisul-hoje/Noticia/?id=111629

http://diariocatarinense.clicrbs.com.br/sc/geral/noticia/2013/03/teologo-jaci-rocha-goncalves-comenta-sobre-a-sucessao-papal-4071243.html